Breve Introdução à História do Humanismo

O Humanismo teve os seus antecedentes na Grécia Antiga. Deste essa altura esteve no centro de períodos de grande avanço no mundo Ocidental, como o Renascimento e o Iluminismo. Neste artigo irei apresentar algumas das figuras e ideias que deram origem ao Humanismo Secular tal como ele é hoje.

O Humanismo na Antiguidade

Sócrates

As primeiras referência a filosofias semelhantes ao Humanismo surgem na Antiguidade, no turbilhão de ideias produzido pelos filósofos da Grécia Antiga. Foi com eles que pela primeira vez no mundo ocidental se tentaram encontrar explicações racionais para o mundo que nos rodeia, sem ter como base a religião e a superstição.

Sócrates, condenado à morte em 399 a.C., por colocar em causa os deuses oficiais e sendo por isso acusado de corromper a juventude, foi talvez o primeiro Humanista famoso, apesar de ainda não ser conhecida tal palavra. A convicção nas suas ideias era tanta, que se recusou a pedir misericórdia pelos seus actos, sendo por isso obrigado a suicidar-se com cicuta.

Sócrates baseava a suas ideias nos problemas humanos, tentando descortinar qual o modo de vida ideal para o homem. Acerca dele alguém disse que "fazia a filosofia descer do céu à terra, alojava-a nas cidades e trazia-a para dentro dos lares, obrigando as pessoas a pensar acerca da vida e da moral, acerca do bem e do mal".

Para Sócrates, a virtude identificava-se com o saber e o homem só agia mal por ignorância. Ao contrário dos sofistas, ele considerava que a capacidade de distinguir o certo do errado estava na razão das pessoas e não na sociedade.

Sócrates acreditava também que a busca incessante pelo conhecimento era vital, sendo dele a célebre frase "Só sei que nada sei". Apesar de ter noção da sua ignorância, foi dos primeiros a afirmar que era possível ao homem alcançar verdades absolutas sobre o Universo e que a base para a aquisição de conhecimento era a razão.

Na sua época, as afirmações de Sócrates eram fortíssimas, tal como era forte a sua capacidade de argumentação, que fazia os mais convictos reconhecer que estavam errados e chegar por si próprios a novas conclusões. Apesar de não nos ter deixado nenhum registo escrito das suas ideias, só conhecemos dele o que nos chegou via outros filósofos, nomeadamente Platão, a sua influência sente-se até aos dias de hoje.

Os Estóicos

Também o estoicismo, movimento que surgiu por volta de 300 a.C. em Atenas, mas que influenciou a cultura romana até cerca de 200 d.C., fez contribuições importantes para o Humanismo, nomeadamente em termos da moral, da importância do raciocínio para o conhecimento da natureza, dos princípios de entreajuda entre os indivíduos e do valor de levarmos uma vida feliz.

Os estóicos afirmavam que a procura de uma moral devia ser feita observando a natureza. Com essa observação poderíamos encontrar a justiça universal, que está presente nas leis naturais e que seria compreensível por todos os homens, sendo as leis humanas uma pálida imitação da lei natural.

O conceito de Humanismo, como conceito onde o homem ocupa um ponto central em termos filosóficos, foi pela primeira fez referido por Cícero, um estóico, que pronunciou a célebre frase humanista "para a humanidade, a humanidade é sagrada".

Os estóicos eram cosmopolitas, integrando-se na sociedade do seu tempo e preocupando-se com o bem comum, tendo sido inclusivamente os primeiros, no mundo ocidental, a criar instituições de caridade para os pobres e doentes.

Em resumo, podemos afirmar que os humanistas da Antiguidade:

  • Concentravam-se nos seres humanos;
  • Aceitavam a razão do homem como a base de toda a percepção;
  • Acreditavam na existência de uma ordem universal;
  • Acreditavam numa lei natural que se aplicava a todos os seres humanos.

O Humanismo no Renascimento

Após a idade média, surge no século XIV, como força contrária ao obscurantismo introduzido na Europa pelos excessos do Cristianismo e da Igreja Católica, o Renascimento. O Humanismo do Renascimento constituiu um ponto de viragem nas preocupações com as falsas imoralidades e colocou a ênfase na importância da se viver a vida com prazer. Foi também um período em que as artes e o conhecimento floresceram e que a Europa progrediu em termos civilizacionais, recuperando do seu atraso relativamente a outras partes do mundo.

Leonardo da Vinci

Como um exemplo de um homem do Renascimento, podemos apresentar Leonardo da Vinci. Jovem, com apenas 17 anos, viajou em 1469 para Florença, núcleo do Renascimento. Nesta cidade, energeticamente, envolveu-se em todas as áreas da arte, da cultura e da ciência. Interessou-se pelo estudo da natureza e dos processos naturais, dando a sua atenção a assuntos tão distintos como o movimento da água, o sistema circulatório humano, o feto no ventre da mãe e as fibras e pétalas das plantas. Não bastando isto, tornou-se inventor, descobrindo princípios que ainda hoje são utilizados em muitas das nossas máquinas.

Foi também um estudioso do homem. Criando estudos, esboços e pinturas geniais que denunciam uma grande sensibilidade pela beleza da forma humana. Com as suas obras ajudou também a quebrar um tabu de quase mil anos na Europa: a representação do nu. O seu fascínio pelo ser humano pode ser observado nas suas pinturas, onde os seres humanos têm um forte carácter e personalidade, como por exemplo na Mona Lisa, na Mulher com Arminho ou na Última Ceia.

As ideias do Humanismo Renascentista

A Renascença representou o renascimento do Humanismo da Antiguidade. Em busca de filosofias e moralidades alternativas às cristãs, que tinham sido universais durante a Idade Média, os humanistas da Renascença estudaram as obras produzidas na Antiguidade Grega e Romana.

Na Renascença tornou-se uma obsessão o regresso ao passado clássico, à sua arte e cultura, o que influenciou fortemente a educação que passou a incluir o estudo do Humanismo. Este foi também o período em que a Europa iniciou a sua longa caminhada para a secularização, que conduziria ao afastamento da Igreja dos caminhos do poder.

O Renascimento viu nascer o método empírico, método esse que é usado pela Ciência até aos nossos dias e que foi fundamental para dar credibilidade à Ciência.

Podemos afirmar que o Renascimento contribui para a filosofia da época com:

  • Uma nova atitude em relação à humanidade;
  • Uma grande vitalidade intelectual;
  • Uma nova visão do mundo natural;
  • Um novo método científico que retirou à religião o controle do conhecimento;
  • A importância de apreciar a vida ao máximo.

O Iluminismo

O século XVIII trouxe uma nova etapa ao Humanismo, com a chegada do Iluminismo, que teve as suas origens em Inglaterra, mas que conheceu o seu auge em França. O Iluminismo foi importante, por ter aprofundado muitas das ideias da Renascença, mas também por dele terem surgido algumas ideias originais e importantes para o Humanismo.

Voltaire

Este francês, foi o expoente do Humanismo Iluminista. Tendo sido preso aos vinte e três anos devido aos seus versos satíricos sobre as autoridades, foi libertado sobre a condição de sair do país. De França viajou para Inglaterra, onde foi fortemente influenciado pela liberdade de expressão, tolerância religiosa e racionalidade aí predominantes. Fez da sua vida uma luta constante contra o fanatismo, a intolerância e o abuso de poder, tendo feito ataques particularmente fortes ao poder eclesiástico.

Apesar de não ser ateu, lutou contra a opressão religiosa e a crença dogmática em Deus. Isto devia-se a que, considerava que nada sabíamos do possível criador do mundo, pois ele nunca se poderia ter revelado sob a forma sobrenatural em que acreditam os Judeus, os Cristãos e os Muçulmanos. Deus apenas se podia manifestar através da natureza e das leis naturais.

Voltaire afirmava também que a cegueira e a ignorância faziam com que os homens se perseguissem e matassem uns aos outros, em nome da religião. Considerava ainda absurda a ideia de que se poderiam mudar os acontecimentos do mundo e influenciar Deus através da oração, pois o mundo é controlado por leis imutáveis. Para ele o esclarecimento e a razão acabariam mais tarde ou mais cedo por vencer, desde que se conseguisse explicar os novos conceitos e ideias do Iluminismo de uma forma simples, compreensível por todos.

As ideias do Humanismo Iluminista

Tal como os humanistas da antiguidade, os filósofos do Iluminismo acreditavam na razão do homem, sendo inclusivamente o Iluminismo também conhecido como a Idade da Razão. O seu objectivo era estabelecer uma base moral, religiosa e política que acompanhasse a razão intemporal do homem.

A ênfase passou a ser colocada na educação, com o objectivo de se criar uma raça iluminada. Os iluministas acreditavam que tinha chegado o momento de esclarecer as massas, criando assim uma sociedade melhor. Com uma maior educação, seria o fim da miséria e da opressão, pois estas eram causadas apenas pela ignorância e pela superstição. A humanidade iria dar grandes avanços e a irracionalidade e ignorância seriam varridas da face da Terra.

Os iluministas lutavam pelos direitos do indivíduos e do cidadão, o que significava a luta primordial pela liberdade de imprensa, que não existia na época. Os direitos do indivíduo de expressar as suas opiniões tinham que ser assegurados, quer fossem assuntos de cariz religioso, moral ou político.

Como produtos que ainda hoje influenciam as nossas vidas, foram os criadores da Enciclopédia, inspiraram muitas das constituições que existem hoje pelo mundo fora e criaram os alicerces para a Declaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas.

Os humanistas do Iluminismo:

  • Revoltaram-se contra as velhas autoridades, como a da Igreja e a da aristocracia;
  • Defendiam o primado da razão;
  • Trabalhavam pela educação das massas;
  • Acreditavam no progresso cultural e tecnológico;
  • Desejavam banir da religião, o fanatismo e o dogma;
  • Lutavam pela inviolabilidade dos indivíduos, pela liberdade de expressão, pela justiça, a filantropia e a tolerância.

Copyright (c) 2002 por Miguel Duarte.